Contacto : mail@albertomesquita.net

           
        Home    
           
     
 
Início
Jusqu'au bout
Shakespeare - Hamlet
L Antruido de las Palabras
Três Regalos
Reflexões sobre Fotografia
Pirilampos
Nietzsche - Zaratustra
Adivinha
Palavras Predilectas
Roy Bathy - Blade Runner
A Força da Palavra
Natal - Manuel Bandeira
Natal - P. H. de Mello
Natal - Os Reis
Blue Skies
Le bonheur de ce monde
O Fim da Aventura
Oppressors
Os miosótis
Quotations
Minho
Schopenhauer
A Sibila
St. Crispen's Day Speech
Felicidade
Ernest Schackleton
Cantiga para quem sonha
Oh God
Sobre Arte
Apocalipse Now
Mãe
Our Life
Toada de Portalegre
Mount Analogue
Caridade - S. Paulo
Seres Lendários
Esconjuro
Mary Elizabeth Frye
De Tarde
Road Less Travelled
Senhora Partem Tam Tristes
Stop All The Clocks
Bem-Aventuranças
Risks
Menina
Desiderata
Goethe
Artur C. Clarke
Frases da Net
Arte em Macau
Poema
Arte da Cosinha
Ernesto Renan
Boa Noite
A Terra
Graffitis
As Amoras
Era Briluz
Só Deus basta
Menina Gorda
Gorgeous
Cântico Negro
On Being ill
Sôbolos Rios
O Juramento do Árabe
Four Quartets
A Senhora de Brabante
Vaidade
 
   

Sôbolos rios que vão
por Babilónia, me achei,
Onde sentado chorei
as lembranças de Sião
e quanto nela passei.
Ali, o rio corrente
de meus olhos foi manado,
e, tudo bem comparado,
Babilónia ao mal presente,
Sião ao tempo passado.


Ali, lembranças contentes
n'alma se representaram,
e minhas cousas ausentes
se fizeram tão presentes
como se nunca passaram.
Ali, depois de acordado,
co rosto banhado em água,
deste sonho imaginado,
vi que todo o bem passado
não é gosto, mas é mágoa.


E vi que todos os danos
se causavam das mudanças
e as mudanças dos anos;
onde vi quantos enganos
faz o tempo às esperanças.
Ali vi o maior bem
quão pouco espaço que dura,
o mal quão depressa vem,
e quão triste estado tem
quem se fia da ventura.


Vi aquilo que mais val,
que então se entende milhor
quanto mais perdido for;
vi o bem suceder o mal,
e o mal, muito pior,
E vi com muito trabalho
comprar arrependimento;
vi nenhum contentamento,
e vejo-me a mim, que espalho
tristes palavras ao vento.

.......................

 - Luís Vaz de Camões


o poema continua; esta foi a parte inicial que transcrevi para o Moleskine